quarta-feira, março 28, 2007

Segredos









Rossio
Foto TL

De entre as coisas que não digo
umas há que mal consigo
amordaçar na garganta
e a outras causa-me tanta
mágoa trazer só comigo
que às vezes até me espanta
como as sei guardar e sigo
calado ou alheio ao perigo
de as murmurar ao umbigo.

São coisas que mais ninguém
saberá além de mim
como se fossem assim
segredos que a mal ou bem
eu aprendi porque enfim
só não os aprende quem
sobre ser parvo é ruim.

9 Comments:

Blogger Laura Lara said...

Todos os temos. Todos os guardamos. Só não sabemos dizê-lo como tu, Torquato.
Beijinhos

11:11 da manhã  
Blogger António Baeta said...

É impressionante o ritmo deste poema e tem outra coisa de que gostei; fez-me lembrar João de Deus, o nosso conterrâneo.
Coisa boa, a alegrar o dia!

11:38 da manhã  
Blogger LB said...

A forma como as sentimos, serão segredos seguramente. Mas dito assim, até parecem belas.

Um abraço

12:50 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Um beijinho, Laura.

Abraços, Toy e Luís.

1:20 da tarde  
Blogger marta said...

Verdade.
Coisas que até a nós próprios custa dizer.

Acabei de chegar e se não fosse o cansaço, exaustão, ia ao lançamento do seu livro.
Não quero deixar de lhe desejar as maiores felicidades a si e ao seu livro.

Beijinho Torquato da Luz

6:26 da tarde  
Blogger MaD said...

Juntamente com o seu novo livro, brinda-nos com este lindo poema.
Quem não se sente tocado pela sua beleza e conteúdo tão profundo?...
Muitas felicidades.

9:22 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Um beijinho, Marta, e obrigado.

Outro abraço, Mário.

11:41 da tarde  
Blogger Fatyly said...

Profundo e verdadeiro. Gostei muito!

Espero que o lançamento do teu livro tenha corrido pelo melhor!

Parabéns poeta e que venham mais!

Beijos

9:31 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Tudo excelente, cara Fatyly. Beijos também.

1:57 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home