quinta-feira, maio 26, 2011

Outra vida

Mar meu
Não me acomodo à ideia
de ter só uma vida.
Quero outra, a seguir, que venha cheia
do que esta, avara e presumida,
me negou e podia ter-me dado.
Uma vida que seja realmente vida,
sem complexos de culpa ou de pecado
e, já agora,
que não seja de usar e deitar fora.
Uma vida, sei lá, que valha a pena
e me dê ocasião
de completar o que esta não deixou.
Uma vida nem grande nem pequena,
à medida do coração
que sou.

11 Comments:

Blogger AGRIDOCE said...

Outra para mim, se faz favor.

Soberba construção poética.

Cumprimentos.

4:03 da tarde  
Blogger jrd said...

Que longa vida vai ser essa...
Abraço Poeta

6:07 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Cumprimentos e abraços também, caros "Tuga" e João!

6:32 da tarde  
Blogger mdsol said...

Tão bonito... E a fotografia, também.

:)))

7:22 da tarde  
Blogger Mar Arável said...

Um dia seremos crianças

poeta

10:20 da tarde  
Blogger addiragram said...

Belo poema que diz o tamanho do desejo.
A minha dúvida é se nessa outra oportunidade não a continuaríamos a desperdiçar...

Uma braço amigo

10:35 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

:))), cara Maria do Sol!

Espero que sim, amigo Filipe!

Dúvida legítima, cara Margarida!

9:52 da manhã  
Blogger OutrosEncantos said...

ah Poeta, deixa lá a outra vida que não sabes quando chega... rsss,
agarra esta com unhas e dentes, que tens ainda muito que viver antes da outra.

é hoje, hoje e todos os amanhãs :)

beijinho, Amigo.

1:52 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Ninguém, realmente, sabe o dia nem a hora...

Beijinho também, Amiga!

2:09 da tarde  
Blogger Espumante said...

Quantas vezes dou comigo a pensar nisto mesmo... só que não em verso!
Um grande abraço

8:30 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Outro, amigo Nelson!

9:45 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home