quarta-feira, agosto 01, 2012

Tema

Rio Arade, em Silves

Parece altura de voltar ao tema
recorrente do meu poema
e que conheces tão bem:
o tema do teu olhar
roubado ao verde-azul do mar
e igual ao de mais ninguém.

É que, por muito velozes
que possam ser estes dias,
importa escutar as vozes
fugazes porém serenas
apelando às alegrias
que há nas horas mais pequenas.

8 Comments:

Blogger jrd said...

Olá poeta! Olá poesia!
Que bom ter-vos aqui de novo.

Grande abraço

3:11 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Aquele abraço também, amigo João!

6:23 da tarde  
Blogger addiragram said...

Nesse olhar e por esse olhar os poetas travam as mais belas batalhas!
Que bom voltar cantá-lo!

5:15 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Um bj, cara Margarida!

9:34 da manhã  
Blogger OutrosEncantos said...

oh Torquato, eu ia jurar que já tinha passado por aqui...
e passei! tenho a certeza!
já sei, estavam as palavras zangadas comigo, outra vez!!! [esta eterna briga que tu já tão bem conheces ;)]

... voltemos então ao teu tema,
porque a tua poesia é bela, a nascer do coração, e os teus olhares sobre a nossa Lisboa linda.

hoje não nos trazes o Tejo bem amado, mas também esse olhar sobre o Arade é tranquilo é de paz e de beleza.

que bom que te mantens entre nós, Torquato.

beijinho, amigo.

10:02 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Obrigado pelas palavras amigas, cara Maria!
Um beijinho também.

12:38 da tarde  
Blogger António Baeta said...

Um rio de saudade, Torquato.
Abraço.

12:43 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

A quem o dizes, Toy!
Já vai para dois anos que não vejo o nosso rio... Essa foto, aliás, é de 2008, se não erro.
Abraço também.

1:02 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home