terça-feira, outubro 16, 2012

Liberdade

De um terraço da Mouraria
As letras do teu nome, uma por uma,
escrevi a medo sobre o quadro preto.
Foi no tempo em que tudo era secreto
e a esperança de futuro quase nenhuma.

As letras do teu nome, uma por uma,
ecoaram na sala e atraíram
a raiva dos medíocres que não viram
o mar imenso para além da espuma.

Só que nada puderam de verdade,
porque ficaste minha, liberdade.

11 Comments:

Blogger Vento said...

liberdade!
a palavra que me mareja o olhar!
que poema belo, Torquato!

tão cara essa factura,
mas essa dá gozo de pagar, não é?!

sorriso e beijo, Amigo.

3:50 da tarde  
Blogger jrd said...

Como te percebo bem Poeta.
A tua liberdade é também a minha.
Abraco

4:36 da tarde  
Blogger Mar Arável said...

Belíssimo

Abraço

5:52 da tarde  
Blogger Varela Pires said...

...Como tudo isso é tão verdade!... A liberdade por esse tempo escrevia-se assim, como dizes, com letras de medo. E os tempos mudaram, e ela surgiu através de uma revolução, com maiúsculas. Hoje, "no vagar depressa dos tempos", tenho-a visto poucas vezes, e como que anda a esgueirar-se à sucapa por ruelas pouco recomendáveis, procurando companhias que a podem reprovar. E o medo que outrora nos tolhia, poderá voltar... Como irei saber dela, amanhã? - V. P.

6:02 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Abraços gratos, caros amigos Maria, João, Filipe e Varela Pires!

6:22 da tarde  
Blogger luisa said...

Fez-me lembrar o poema "Liberté" do Paul Eluard, sobretudo quando ele diz, no final, que nasceu para a conhecer e a nomear. Liberdade acima de tudo.

(http://www.poetica.fr/poeme-279/liberte-paul-eluard/)

10:04 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Conheço muito bem e há muitos anos, cara Luísa! Isto anda tudo ligado... Abraço.

9:44 da manhã  
Blogger António Sequeira said...

Gostei muito do seu blog. Um abraço virtual. Boas leituras e boas criações.
http://mariahelenaamaro.blogspot.pt/

12:18 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Seja bem-vindo, caro António! Um abraço também.

9:56 da manhã  
Blogger Olinda Melo said...


...'a liberdade está a passar por aqui', diz-nos Godinho e revejo-a neste seu belo poema.

É fundamental falar dela, escrever o seu nome letra a letra, nomeá-la, para a termos sempre presente, especialmente nos tempos que correm.

Obrigada, caro Poeta.

:)

Olinda

11:28 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Não tem nada a agradecer-me, cara Olinda!

:)

2:47 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home