quinta-feira, fevereiro 01, 2007

Olhar







Óleo sobre tela, M. Nagashima, 2007
Colecção TL
Olhas-me entre a surpresa e o desencanto
e eu fico embaraçado ante esse olhar:
nada podia perturbar-me tanto
como uns olhos roubados ao luar
das noites em que o tempo e o lugar
se faziam de espuma, luz e espanto.
Mas o que importa, sobre a ruinosa
erosão dos desenganos,
é esta força de quem ousa
amar-te acima do passar dos anos.

7 Comments:

Blogger LB said...

Que beleza, força e encanto...!

Um abraço.

3:56 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Outro abraço, caro Luís.

8:13 da tarde  
Blogger Laura Lara said...

Vós pedistes: a tela que escolhestes é linda, o texto que compusestes é um encanto. Mereceríeis maior elogio, mas não sei para mais.
Beijinhos

12:20 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Laura:
Eu bem dizia: tal tia, tal sobrinho. Dominas perfeitamente a segunda pessoa do plural. Já podes ir a Viseu à vontade.
Beijinhos.

8:52 da manhã  
Blogger António Baeta said...

Como gostei, Torquato!

1:34 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Ainda bem, Toy. Um abraço.

7:08 da tarde  
Blogger Fatyly said...

Este poema é lindissimo!

9:39 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home