quarta-feira, novembro 11, 2009

Os donos

Da minha janela / Foto TL, 2009

Usam e abusam do poder como se fosse
direito próprio que algum deus lhes trouxe,
num jogo absurdo que se joga à margem
de regras, normas, ordens e preceitos.
E, porque tudo é seu, eis que a paisagem
se amolda aos seus caprichos e defeitos
e as leis ganham contornos e alçapões
que os poupam a quaisquer complicações.

8 Comments:

Blogger jes said...

Caro Torquato

Este poema é uma ode aos sentimentos de quantos ainda se indignam com governantes absurdos e de mente doentia. Uma maravilha. Parabéns.

Penso eu de que... (como diria o rei do Norte) já existe material suficiente para que o meu amigo também pense... pense em editar outro livro.

Grande abraço

7:28 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Caro João,

Obrigado pelas palavras amigas.
Quanto ao novo livro (ainda sem título...), penso que será editado e lançado na primeira metade do próximo ano, à semelhança do que aconteceu com o anterior.
Um forte abraço também.

8:20 da tarde  
Blogger addiragram said...

Do direito à indignação!

Um abraço.

11:46 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Absolutamente, cara Margarida. Porque "isto" está a exceder "tudo o que a antiga musa canta"...
Outro abraço.

9:41 da manhã  
Blogger CPrice said...

um grito de revolta sem usar um único "palavrão" que por vezes me apetece e dizem .. alivia.
Gostei Muito Poeta :))

E gostei também de saber do novo lançamento * ;))

2:48 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Bem haja, Catarina.

4:38 da tarde  
Blogger jrd said...

Felizmente que não conseguem ser donos da tua rima.
Um abraço bfs

11:49 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Isso nunca, caro JRD! Proclamei muito cedo a independência.
Bom fim-de-semana também.

9:31 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home