quinta-feira, novembro 29, 2012

Oito anos

Praça das Flores

O "Ofício Diário" nasceu a 29 de Novembro de 2004, com este pequeno texto intitulado "As palavras" e extraído do meu livrinho "Lucro Lírico", de 1973:

As palavras sucumbem ao vazio
da própria pequenez.
Nenhum cais tem a forma do navio,
nenhum navio a forma das marés.

Faz hoje, portanto, oito anos.
Após a paragem que, por motivo de força maior, presentemente conhece, há-de recomeçar em breve. Assim confio.

10 Comments:

Blogger Obtuso said...

... e assim queremos todos !
Abraço.

9:52 da manhã  
Blogger jrd said...

Um grande abraço de parabéns.
Que voltes depressa e bem.
jrd

11:58 da manhã  
Blogger António Baeta said...

Parabéns ao blogue e obrigado ao autor. :)

12:48 da tarde  
Blogger Ricardo António Alves said...

Nem me tinha apercebido que também estou a caminho dos oito...
Um abraço!

2:32 da tarde  
Blogger addiragram said...

Um grande abraço de Parabéns!
E se o Ofício Diário nasceu nesta encantadora Praça das Flores com o seu delicioso café há múltiplas razões para festejar.
Votos de um regresso rápido e cheio de vitalidade neste tempo com tanta necessidade de poetas.

11:46 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Obrigado e abraços, amigos Tibério, João, Toy, Ricardo e Margarida!

11:54 da manhã  
Blogger Olinda Melo said...


Parabéns, caro Torquato.

E eu continuarei a vir aqui, para saborear o encanto das suas palavras.

Abraço

Olinda

4:39 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Grato pela sua generosidade, cara Olinda!
Abraço também.

9:22 da manhã  
Blogger AMCD said...

Paragens por motivo de força maior vencem-se com um arranque de força superior. Às vezes é útil parar, para melhor recomeçar, investir com mais ímpeto, é sabido. Mas essas são paragens voluntárias e calculadas. Pequenas batidas em retirada, para investir depois com mais força. Agora, as paragens por motivo de força maior obrigam-nos, impõem-nos e submetem-nos (pelo menos por um certo período). Espero que a do Torquato seja breve.

Maldita essa força maior que não pára de nos revisitar. Mas nós sabemos o quanto os amigos da liberdade e muitos poetas detestam essas forças maiores. Não detestam porém a Vida. E digo a Vida porque também ela é uma força maior, muito maior que todas as outras. Mas não a amam mais que do que a Liberdade.

Força Torquato! Força Poeta!

Cá o aguardamos, como sempre.

10:40 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Obrigado pelas palavras de incentivo, caro AMCD! Infelizmente, a coisa não está fácil. Vamos lá ver...
Abraço.

4:08 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home