quarta-feira, julho 22, 2009

Contemplação

Campo das Cebolas / Foto TL, 2009

Deixa-me contemplar-te. Apenas quero
guardar com nitidez a tua imagem
para poder depois seguir viagem
sem temer a angústia e o desespero.

Quero fixar os traços do teu rosto
no mais íntimo canto da memória
para os poder lembrar quando o desgosto
da tua ausência for a minha história.

Quero reter nos olhos as marés
de que se faz a luz do teu olhar
para poder prender-te como és
para sempre no fundo do meu mar.

7 Comments:

Blogger CPrice (once) said...

uma ode a todos quanto já partiram .. :) haja memória para os recordar.

Gostei muito, Poeta *

1:03 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Bem haja, Catarina!

3:35 da tarde  
Blogger mdsol said...

:))

8:56 da tarde  
Blogger Tudo de mim. Ou quase. said...

A memória que guardamos daqueles que, por livre arbítrio ou infortúnio daquilo a que chamamos destino, se ausentaram de nós nem sempre é nítida. Esbate-se nos compassos do tempo e, aí, deixamos de conseguir recordar com os olhos para passarmos a recordar com o coração. Apertado.

8:57 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

:)), Mdsol.

Certamente, "Tudo de mim..."

10:04 da manhã  
Blogger jrd said...

Como uma âncora, bem fundo...
Abraço

4:30 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Isso mesmo, JRD.
Outro abraço.

10:01 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home