quinta-feira, setembro 10, 2009

Perfeição

Senhora da Rocha / Foto TL, 2007

Trazia os olhos bêbedos de mar
e nos cabelos, que o vento alongava,
luziam raios de sol e de luar
que qualquer deus estranho combinava.

Tinha a beleza feita de mistério
dos seres que a perfeição torna irreais
e o seu andar sereno, quase etéreo,
não pertencia ao mundo dos mortais.

Por isso me prendeu e nos prendemos,
sem temer que algum dia fosse amargo
o destino do frágil barco a remos
em que, a correr, nos fizemos ao largo.

7 Comments:

Blogger addiragram said...

Lindíssimo. Porquê não sei, mas "ouvi", juntos, Camões e Sophia, para além, claro, do grande Torquato!

Um beijo

5:43 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Cara Margarida, não se pode propriamente dizer que sou "grande": meço 1,75 m. e já vou com sorte... :)
Um beijo também.

6:10 da tarde  
Blogger jrd said...

Beber até à embriaguez: Palavras de mar e vento.
Abraço

10:27 da tarde  
Blogger addiragram said...

É-se "grande", quando se vai mais além...

10:52 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Um abraço também, JRD.

Outro beijo, Margarida.

9:34 da manhã  
Blogger Delirius said...

Boa noite (assim... timidamente...)

Já não sei como cheguei aqui, mas fiquei assim de olhos esbugalhados.
Gosto tanto da sua poesia, que tenho encontrado, e usado, tanto por aí.
Permita-me que o siga, gosto de lê-lo, imenso.
Um abraço.

1:22 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Um abraço também, cara "Delirius".

8:41 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home