quinta-feira, março 17, 2011

Palavras como pedras

Parque Eduardo VII

Palavras como pedras atiradas
contra o muro de silêncio que nos tolhe
palavras ondas a chocar no molhe
que as subtrai às areias ansiadas

Palavras como setas disparadas
sobre o alvo da noite que as recolhe
até que a flor do dia se desfolhe
e dê lugar a novas madrugadas

Palavras como o silvo de uma bala
a despertar a mente adormecida
de quem se acomodou à pequenez

e não descola do sofá da sala
como se não houvesse uma outra vida
a reclamar lá fora a sua vez.

10 Comments:

Blogger MeuSom said...

Olá Torquato! :))

felizmente tu não te acomodas ao sofá regozijo-me com este teu Oficio de nos trazeres todos os dias, para além da nossa amada Lisboa em belíssimas imagens, palavras que acertam em cheio o alvo, os peitos desprevenidos :))
amei esse poema :)
beijo, Amigo.:)

11:56 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Um beijo também e obrigado, cara Amiga!

1:45 da tarde  
Blogger Luis Novaes Tito said...

Os blogs também deveriam ter um botão "like" como o Facebook.

Há coisas de que se gosta simplesmente e não precisam de palavras.

Fica o Like por extenso.

6:30 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Aquele abraço, caro Luís!

7:32 da tarde  
Blogger jrd said...

Palavras como pedras...Certeiras!
Abraço

10:34 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Outro, amigo João!

9:44 da manhã  
Blogger mariam said...

Torquato,

Belos. O soneto e a imagem.

Raramente comento, mas é um gosto enorme 'passear' pelos seus versos...

um sorriso :)
mariam

9:45 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Retribuo o sorriso com muito gosto, cara Mariam!

9:45 da manhã  
Blogger Obtuso said...

Ok!
Como diz o Luis Novaes Tito...
I Like !

2:17 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Ok, thanks, my dear Tiberio! :)

5:24 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home