terça-feira, novembro 29, 2011

Sete anos

Cais do Sodré
Tudo começou assim, a 29 de Novembro de 2004:
As palavras sucumbem ao vazio
da própria pequenez.
Nenhum cais tem a forma do navio,
nenhum navio a forma das marés.

O tempo foge.

14 Comments:

Blogger Ricardo António Alves said...

Parabéns, Torquato, grande presença na bloga!
Um abraço

3:00 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Aquele abraço também, caro Ricardo!

3:14 da tarde  
Blogger Olinda Melo said...

Confesso a minha pequenez perante estas palavras...não sei comentá-las.

:(

Olinda

4:39 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

:), cara Olinda!

6:18 da tarde  
Blogger luisa said...

Mas são grandes as palavras que por aqui leio...
Parabéns :)

11:01 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Generosidade sua, cara Luísa!

Saudações algarvias :)

9:18 da manhã  
Blogger jrd said...

Muitos parabéns Poeta!
Por vezes a 'distância' não permite que se chegue no dia certo, mas para um abraço amigo, o tempo é todos os dias.

3:07 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Todos os dias são certos para os abraços amigos, caro João!

4:48 da tarde  
Blogger Mar Arável said...

Sobe o pano
desce o pano
não existe pano

o tempo passa

Abraço poeta

6:01 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

...E passa tão rápido, amigo Filipe!

Abraço também.

7:08 da tarde  
Blogger Laura Lara said...

Parabéns, Torquato! Sete anos de encantamento... Obrigada. Um abraço cheio de amizade

7:45 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Outro abraço amigo e grato, querida Laura!
(A propósito, quando regressa a Senda? Faz-nos falta - e estou cheio de saudades...)

8:20 da tarde  
Blogger addiragram said...

Queremos um tempo à dimensão dos nossos desejos e da nossa "preguiça".O Tempo dá-nos a dureza da realidade.
Belo verso de síntese da natureza humana.
Um grande abraço e muitos beijinhos!

9:51 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Abraços e beijinhos gratos também, cara Margarida!

6:32 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home