segunda-feira, março 21, 2011

O pássaro esquivo

Tejo meu

(No Dia da Poesia)

Vem pousar-me amiúde na janela
um pássaro esquivo
que tão depressa me interpela
e me faz sentir vivo
como veloz desaparece
e de pronto me esquece.

Ave intrigante e vadia
que ora me chama ora me foge
dei-lhe o nome de poesia
e tanto a celebro hoje
como em qualquer outro dia.

13 Comments:

Blogger mariagomes said...

muito belo! ... um abraço e um beijinho
maria

10:06 da manhã  
Blogger OutrosEncantos said...

Torquato
...desse pássaro vadio, te fizeste poesia!
parabéns Poeta, hoje é o teu dia!

10:14 da manhã  
Blogger Obtuso said...

vadia ou não...
essa ave está sempre
à tua janela !

1:31 da tarde  
Blogger Mel de Carvalho said...

Um dia chamei-lhe "poesia-vida"...
http://noitedemel.blogs.sapo.pt/103829.html

Belíssimo o pássaro que o visita e que lhe canta o canto intempestivo desta arte de que somos apenas meros aprendizes (falo por mim)

bem-haja
Mel

2:03 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Beijinhos para todas e cada uma das amigas e um abraço para o caro Tibério!

3:22 da tarde  
Blogger jrd said...

No dia da poesia a poesia de todos os dias.
Um abraço

4:07 da tarde  
Blogger Luísa said...

Esse pássaro não é nada esquivo consigo, Torquato. :-)))

4:13 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Um abraço poético também, amigo João!

Sempre gentil, cara Luísa... :-)))

5:20 da tarde  
Blogger luisa said...

Claro, pois se por aqui todos os dias são de poesia :)

10:27 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Aí o nosso Algarve, cara Luísa, também é poesia todos os dias :)

9:36 da manhã  
Blogger Mar Arável said...

Tu sabes compreender esse pássaro
poeta

12:23 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Benevolência tua, caro Poeta e Amigo Filipe!

2:44 da tarde  
Blogger OutrosEncantos said...

:))

"Tejo meu" :))), também é meu loll :)
esse poema é lindo!

2:53 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home