quarta-feira, fevereiro 02, 2005

Nada

Não inventamos o amor,
nós não inventamos nada.
O amor é que nos traz
a vida reinventada.

Não inventamos, seguimos
apenas o fio da espada.

Apenas o fio que corre
na faca da madrugada,
quando a noite de tão clara
fica de todo adiada.

Não inventamos a dor,
a dor não foi inventada.
Nós apenas percorremos
a estrada já caminhada.

Não inventamos a sede.
Por dentro da boca seca
é que nos enreda a rede
da nossa culpa secreta.

Não inventamos o medo.
Vem lá de longe a palavra
com que moldámos a espada
que nos feriu muito cedo.

Nós não inventamos nada.

("Lucro Lírico", 1973)

1 Comments:

Blogger JG said...

Este poema devia ser cantado. Lindo!

11:48 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home