segunda-feira, outubro 18, 2010

Ainda a poesia

Jardim Roque Gameiro, Cais do Sodré
A poesia não tem emenda,
prefere a vadiagem.
Por mais que se pretenda
arrumá-la no estojo de viagem,
dar-lhe mesa e cama lavada,
é o mesmo que nada,
porque a poesia não se domestica,
não se amarra nem fica
alguma vez enclausurada.
Antes é ave fugidia
que voa e pousa onde quer,
seja de noite ou de dia,
sem curar de saber
dos limites ou barreiras
com que, de várias maneiras,
a pretendem prender.

10 Comments:

Blogger Mar Arável said...

pelo menos o sonho é livre

Abraço

4:29 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

E é o que nos resta, caro Filipe!
Abraço também.

4:43 da tarde  
Blogger jrd said...

Vai e vem. Livre!

Abraço

4:53 da tarde  
Blogger luisa said...

Há que segui-la, então. E voar com ela. :)

5:43 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Não há nada como o nosso amor à liberdade, caro João.
Outro abraço.

Isso mesmo, cara Luísa. Por mim, vou tentando... :)

5:58 da tarde  
Blogger Obtuso said...

Vadia e livre como o fado e nós!
Abraço.

7:55 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Nem mais, amigo Tibério!
Abraço também.

8:32 da tarde  
Blogger gabriela r martins said...

......e vagamunda!!!!!!




.
um beijo

5:37 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Principalmente, querida Gabriela...

Um beijo também.

5:50 da tarde  
Blogger mdsol said...

:))

10:49 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home