segunda-feira, novembro 15, 2010

A cidade

Largo do Marquês do Lavradio, às Cruzes da Sé

A cidade passeia no rosto de um homem,
põe seu corpo nu a tocar-lhe a pele,
desenha-lhe um rio, mas os barcos não correm
na água que nasce do silêncio dele.

Um homem estrangula o frio da cidade,
seu corpo a possui, seu corpo incendeia,
vai calado e só, numa fúria que há-de
espraiar-se por fim no oiro da areia.

Cidade de portas abertas ao medo,
um homem percorre o seu corpo e pergunta
como o tempo achou lugar para ter
tanto tempo muda tanta gente junta.
("Voz Suspensa", 1970, rev.)

10 Comments:

Blogger jrd said...

Muito bom, este poema do tempo da 'cidade cercada.
Abraço'

9:25 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Um tempo a (não) esquecer, caro João!
Outro abraço.

9:41 da manhã  
Blogger Obtuso said...

Sempre bom passar por aqui ( nos poucos segundos que me restam livres ! ) e saborear poesia.

3:21 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Isso é capaz de ser só um problema de programação, caro Tibério... :)
Aquele abraço.

4:43 da tarde  
Blogger Magnolia said...

Tão bonito...

7:51 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Olá, cara Magnólia!

1:58 da tarde  
Blogger AGRIDOCE said...

Outro poema de se "tirar o chapéu".
A última quadra, então, está soberba para encerrar o poema com tanta substância e tanta verdade.

O homem vai-se juntando, cada vez, para o silêncio colectivo e, quando fala, é para se (auto)ouvir.

Cumprimentos.

7:59 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Cumprimentos retribuídos, caro Agridoce.

9:36 da manhã  
Blogger mdsol said...

O gosto de sempre em ler as suas palavras

:)))

5:33 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

E é meu gosto agradecer-lhe as visitas, cara Mdsol!

:)))

8:53 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home