segunda-feira, fevereiro 28, 2005

Para além de nós

Antes de mais os olhos,
a líquida paisagem dos teus olhos
alimentando o rio dos meus dias.

Depois as mãos,
as translúcidas mãos que passeias no meu corpo
e lentamente se apropriam
de mim, como se eu fosse
simples matéria moldável.

E finalmente a voz,
essa voz de que vivo e nos transporta
para além de nós.

(2005)

6 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Outro belo poema de amor.
Bjs da
Maria B.

8:44 da tarde  
Blogger hfm said...

Sempre bom ler-te.

2:16 da tarde  
Blogger peciscas said...

Antes,
a vida.
Depois,
o amor.
Finalmente,
o poeta.

9:48 da tarde  
Blogger Pink said...

Olhos, mãos , voz ... aquilo que marca o amorpara uns e pode nãpo o marcar para outros. Cada amor é único! Belo poema! Um beijo.

11:04 da tarde  
Blogger António Baeta said...

A palavra que vou usar soa-me mal e inadequada ao teu poema, mas foi a que disse comigo quando acabei de o ler: "machuca".

11:26 da manhã  
Blogger Malu said...

Olá

Gosto muito se seus poemas, coloquei um no meu blog...
Se quiser me visitar
http://euecheshire.blogspot.com/

Abraços
Malu

10:26 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home