terça-feira, fevereiro 15, 2005

Solidão companheira

Ninguém dirá que te perdi
e te procuro em qualquer parte.
Eu tenho a força que me vem de ti,
a força de inventar-te.

Por essa força criarei
tudo de novo e de maneira
que ninguém estranhe o nome que te dei,
solidão companheira.

("A Porta da Europa", 1978)

2 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Lindíssimo, meu querido Poeta.

Maria B.

8:36 da tarde  
Blogger Bandido ORiGInAl said...

Belo lema de blogue.

Convido V. Exa a visitar a Embaixada de Zurugoa, para um ludico intercâmbio.

zurugoa.blogspot.com

Salut

10:25 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home