quinta-feira, abril 21, 2005

Signo

Sigo o signo do teu nome,
que me consigna o trilho a percorrer.
Tu vives para lá do sofrimento,
da tempestade e da fome,
que vou ter de vencer
para chegar à praia em que te invento.

(2005)

4 Comments:

Blogger peciscas said...

Com toda a lealdade e sinceridade de um leitor assíduo dos seus poemas, parece-me este um pouco menos conseguido do que os restantes. Acho que o jogo de palavras inicial, sob o ponto de vista estético, funciona menos bem.
Mas é apenas a apinião se um leitor, subjectiva e discutível como todas as opiniões.
Um abraço.

6:49 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Acontece, meu caro.
Aliás, como é sabido, gostos não se discutem.
Outro abraço.

7:34 da tarde  
Blogger JG said...

Gostei muito deste poema. É lapidar, na sua síntese. Um dia destes, se não te importas, vou reproduzi-lo no meu "Blog da Sabedoria". Abraços.

9:20 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Claro que não me importo. Um grande abraço!

9:25 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home