terça-feira, novembro 15, 2005

As palavras

As palavras, constantes inimigas
que me inquietam o sono,
trazem-me, entre o silêncio e o abandono,
todas as dores antigas.

Mas são elas que, amigas,
tornam real o meu sonho
de ignorar o medonho
mar das intrigas.

(2005)

4 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Mais uma vez...lindo!
Parabéns!
Mj

3:02 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Sempre atenta, minha querida. Jinhos!

4:55 da tarde  
Blogger Pecaaas said...

Torquato, obr. pelas tuas palavras.
abr
Pedro

9:42 da tarde  
Blogger GNM said...

Torquato, a morada para tua cada foi-me dada pela Maat do Arde o Azul. Gostei imenso de ter ler. É sempre um prazer descobrir um blog de poesia como este!

Fica bem e continua a sorrir!

11:59 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home