quarta-feira, abril 05, 2006

Cidade

Direi flor, floresta, planta,
direi mar de quem comigo
sente prender-lhe a garganta
o nó daquilo que eu digo.

Direi jardim, pátio, poço,
direi cisterna de quem
me estende o peito, o pescoço,
para que os diga também.

De ti direi
chaminé do navio do meu corpo,
ave marinha que sei
saudosa de qualquer porto
que jamais atingirei.

Direi secura, se curo
da sede que sob a pele
me segue o sangue inseguro
quando me debruço dele.

Direi casa, quadra, canto,
direi cilada, cidade:
palavras feitas do espanto
da própria incomodidade.

("Lucro Lírico", 1973)

6 Comments:

Blogger António Baeta said...

Prendi-me no ritmo do teu poema e na força das tuas palavras; na sua incomodidade, como dizes.

2:54 da tarde  
Blogger Laura Lara said...

Direi apenas que é lindo.
Beijinhos

4:00 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Toy:
Sempre atento e generoso. Aquele abraço.

5:45 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Laura:
Beijinhos também e obrigado pelas palavras amigas.

5:47 da tarde  
Blogger Fatma said...

Foi com um gosto enorme, que não consigo descrever por simples palavras, que li este poema. Movimento contínuo de palavras, sons, imagens, cenários, cheiros, e o mar presente. Despertou uma espécie de desassossego consciente, que alimentou as minhas sensações e a minha natureza humana. Gostei muito.
Fatma

9:00 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Obrigado, Fatma. Vou linkar o seu excelente "Paredes brancas".

9:41 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home