terça-feira, agosto 28, 2007

O que der e vier












Foto TL

Tributário apenas da verdade,
avesso a peias e grilhetas,
feito da massa dos poetas
e dos que amam a liberdade,
sensível à dor própria e à dor alheia,
lutando até ao fim por uma ideia
de peito aberto e sem ter medo
de nada nem de ninguém,
capaz de guardar segredo
mas de o revelar também,
eis como sempre hei-de ser
para o que der e vier.

7 Comments:

Blogger Susana Barbosa said...

Para o que der e vier... sejamos sempre iguais a nós próprios, Torquato. Como gostei de ler no teu poema o que sinto.
Bjs

8:22 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Bjs também, Susana.

8:43 da tarde  
Blogger Mar Arável said...

SEMPRE IGUAIS A NÓS PRÓPRIOS

OS POETAS
TAMBÉM SÃO PESSOAS DE CORPO INTEIRO

É BOM QUE SE AFIRMEM ASSIM
PARA QUE NÃO SE PENSE QUE SE ALIMENTAM - APENAS DE ESTRÊLAS

10:10 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Um abraço, caro E. Filipe.

1:29 da tarde  
Blogger marta said...

Se for assim, ainda me apaixono por si.

Beijinho

2:10 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

O poeta nem sempre é um fingidor, Marta...
Outro beijinho.

12:10 da tarde  
Blogger Fatyly said...

Um hino à liberdade! Parabéns!

Beijocas

8:13 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home