domingo, outubro 14, 2007

Deve & haver









Acrílico sobre tela
TL, 2007

No deve & haver da existência,
por mais longa que seja a caminhada,
sempre terei a crédito a adolescência
que um dia me foi roubada.

14 Comments:

Blogger São said...

Poema por poema:

Somos guerreiros
Vindos de outras eras
Mas nem por dentro
De todas as eras
Vencemos
As nossas guerras.

"Em Ouro Cru"

Bom domingo!

11:36 da manhã  
Blogger espumante said...

E o problema é que nunca mais ela nos é devolvida...
Um abraço

12:01 da tarde  
Blogger JRL said...

Reclame-a ainda como sua, troque as voltas ao tempo e viva-a, sempre... beijinho

1:13 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Obrigado, São, pelo poema!

Pois é, caro Espumante, não fazem devoluções... Outro abraço.

É o que tento todos os dias, Joana. Beijinho também.

5:43 da tarde  
Blogger Pink said...

Interessante esta ideia da existência como uma relação de DEVE & HAVER.
Quanto À adolescência roubada ... acho que a minha passou foi depressa demais, mas tento sempre sentir uma réstea de adolescente em mim ...

Um beijo

6:17 da tarde  
Blogger Fatyly said...

Nunca deixes de ser criança e adolescente, porque infelizes dos que de facto não tiveram ou dos que se deixaram amargurar pela vida!
Muito bonito!!!!

Beijos

6:32 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Caras Pink e Fatyly:
O certo é que ma roubaram, se bem que só agora tenha dado por isso... :)
De resto, prezo-me de continuar a ser ingenuamente incorrigível...
Beijos.

7:25 da tarde  
Blogger addiragram said...

Roubam-se partes de vida que ficam para sempre em "suspenso"...Descobri-lo, mesmo agora, é já um passo em frente...

10:54 da tarde  
Blogger Vieira Calado said...

Penso que o seu poema tem mais que se lhe diga:
infância, meninice, adolescência roubada?
O que aqui ficou por dizer (o poeta nunca diz tudo), é que é a chave do jogo.
Cada um que se encontre no poema, conforme a sua própria infância/juventude/tudo o que já não volta!
Um forte abraço.

1:03 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Isso mesmo, caro Vieira Calado.
Outro abraço.

8:53 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Antes tarde que nunca, não é, cara Addiragram?

8:59 da manhã  
Blogger António Baeta said...

O que realmente conta é o que se vive agora.
Se nos deixámos roubar do que mais prezávamos, a culpa foi nossa.
Não há a quem reivindicar, nem de que reivindicar.

1:12 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Achas, Toy? :)

1:26 da tarde  
Blogger António Baeta said...

Não acho, não. Brinco com as palavras. :)

12:44 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home