domingo, outubro 26, 2008

Dói-me o país











Assembleia da República / Foto TL, 2008

Dói-me o país: ele é minha pertença
como eu também lhe pertenço.
E tenho o direito, penso
(ninguém me desconvença),
de pedir contas a quem o pôs assim,
que mais parece à beira do fim.

Dói-me o país: ele é parte de mim
como eu também sou parte dele
- e temos ambos a mesma pele.

Dói-me o país, como se um mal ruim
nos tivesse roubado aos dois
a esperança de haver depois.

E, no entanto, ainda creio que sim,
que há-de chegar o momento
de pôr termo ao sofrimento.

14 Comments:

Blogger addiragram said...

Escrito com a "alma". Eu teria tendência, nesta altura, a ampliar o âmbito deste doer. "Algo está mal no reino da Dinamarca".

9:31 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

É isso, cara Margarida.

9:55 da tarde  
Blogger Laura Lara said...

Que bem que dizes, Torquato: "Dói-me o país" e dói-me, principalmente, o mundo que os meus netos, todos os netos, vão ter que sofrer.

12:45 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Também me preocupa o futuro que os espera, Laura.

8:55 da manhã  
Blogger Once said...

e é imensa a nossa responsabilidade no legado Caro Torquato ..

11:38 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Duvido de que estejamos à altura dessa responsabilidade, cara "Once".

2:20 da tarde  
Blogger peciscas said...

Também me dói este país.
Mas não é por me doer que o rejeito.
E também creio que há-de chegar o momento em que tudo isto vai dar uma volta. Se não formos nós, os mais velhos, hão-de ser novas gerações que, apesar de tudo, estão por aí a aportar.

6:52 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Caro "Peciscas", é evidente que também não rejeito, perfilhando a esperança de que fala.

8:33 da tarde  
Blogger Susana Barbosa said...

Também creio que sim Torquato.
Saibamos nós resistir, e lutar, com a coragem que o nosso país merece. Até que deixe de doer...
Um abraço

9:06 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Com certeza, cara Susana.
Outro abraço.

9:49 da manhã  
Blogger JRL said...

dói-me o país que amo, que me viu crescer. está na altura de retribuir e de fazer o melhor que sei e posso pelo meu país.
um grande beijinho para si, Torquato (com saudade).

4:04 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Seja bem (re)aparecida, cara Joana. Um beijinho também.

4:48 da tarde  
Blogger Fatyly said...

Um poema bem sentido e oportuno, mas faço minhas as palavras dos comentadores, apesar de nos doer imenso jamais baixar os braços.

Parabéns poeta e toma lá um abração

7:02 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Obrigado, Fatyly, e outro abração.

8:38 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home