segunda-feira, outubro 20, 2008

O outro lado













Arco de Jesus, Campo das Cebolas (Lisboa), Foto TL, 2008
Não penses que tudo é simples e claro
como imaginas e por vezes dizes.
Certos dias são noites e não raro
há rostos que aparentam ser felizes
mas escondem um fundo sofrimento
que não suspeitas nem por um momento.

A vida é como é e não adianta
fingir que é outra coisa mais amena.
Mas, por detrás da máscara, a gangrena
da dor que não se vê chega a ser tanta
que o mais fácil decerto é ignorar
o outro lado e assim continuar.

7 Comments:

Blogger Once said...

mais actual do que possa parecer Caro Torquato .. muito mais.

2:24 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Bem haja por essa constante atenção, cara "Once".

3:39 da tarde  
Blogger Once said...

agradeça sim às suas palavras Caro Torquato .. e mais que isso, ao que significam :)

4:33 da tarde  
Blogger Carminda Pinho said...

Poema, tão verdadeiro, que até dói...

Abraço

2:20 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Um abraço também, cara Carminda.

9:35 da manhã  
Blogger Fatyly said...

Há que continuar de preferência sem esconder e não ter vergonha de mostrar o outro lado porque acredito que há sempre quem nos dê a mão e ajude!
Um poema profundo, sonante e realista que fez eco tal como debaixo de um arco:)

Beijos desta que já esteve várias vezes nos dois lados

10:17 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Raramente o lado mais fácil é o melhor, cara Fatyly. Beijos também.

2:15 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home