segunda-feira, março 09, 2009

Limiar
















Foto TL, 2008
Para escrever importa ter vivido
mas nós apenas conhecemos
o limiar da vida:
existe sempre um espaço proibido
a impedir que avistemos
a meta da corrida.

Jamais vamos além do sonho
como se o nosso destino
fosse ficarmos aquém:
um fantasma medonho
a que desde menino
não escapa ninguém.

Por isso a nossa escrita é mera espuma
entre o nada e coisa nenhuma.

10 Comments:

Blogger once said...

até posso concordar (com a última frase) .. mas que agradável é esse "nada" quando aqui se chega Caro Torquato :)

3:58 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Mal ou bem, é o que eu sinto agora, caríssima Catarina :)

6:20 da tarde  
Blogger jrd said...

Se entre o nada e coisa nenhuma está a tua escrita, ninguém pode proibir esse espaço...

5:00 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Pois é, jrd.

8:50 da manhã  
Blogger Fatyly said...

e há "coisas nenhumas" tão cheias de tudo.

Parabéns poeta, foi bom vir até aqui e as fotos também estão lindissimas.

Beijos e um bom serão

7:23 da tarde  
Blogger mdsol said...

:))

9:52 da tarde  
Blogger addiragram said...

E se vivêssemos, quanto o sonho o sonha, não deixaríamos de escrever?
Um beijinho daqui.

11:00 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Beijos também, Fatyly e Margarida.
:)), mdsol.

9:37 da manhã  
Blogger Alda Maria Neves said...

já há muito que não passo por aqui, mas não posso deixar, hoje, de comentar esta foto, nasci nas Escadinhas das escolas Gerais, esta rua calcorreei-a a pé de electrico depois de ter vindo de Moçambique, é com muita saudade que a recordo.
Obg por ter publicado aqui.
Alda Martins

10:50 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Nada tem a agradecer, Alda. Volte sempre.

10:20 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home