domingo, abril 25, 2010

25 de Abril

Acrílico sobre tela / TL, 2005

O longamente esperado dia
de todas as promessas e intenções
chegou enfim vestido de poesia
e de flores e canções.
Mas depressa o nevoeiro
toldou o que era puro e era inteiro
ao mostrar que não trazia
no seu bojo nenhum Sebastião
capaz de exorcizar a situação
de letargia.
E no entanto ficou como fronteira
das nossas vidas
desde aí para sempre divididas
de tal maneira
que amiúde a conversa nos impele
a falar do antes e depois dele.

9 Comments:

Blogger Delirius said...

Fantástico poema!
Obrigada!

Tela linda!

1:26 da tarde  
Blogger jrd said...

Falar do antes e depois dele é também falar dele. Resta cumpri-lo.
Um abraço

1:37 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Obrigado também, cara Delirius.

Pois resta, caro JRD. E, pelo andar da carruagem, vai continuar a restar... Outro abraço.

2:17 da tarde  
Blogger mdsol said...

Um abraço neste dia de celebração tão especial.

:))))

3:32 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Abraço retribuído, cara Mdsol.

:))))

4:27 da tarde  
Blogger Obtuso said...

Ah! Poesia...flores... e canções!!
...e esperanças e ilusões...com Dom Sebastião que nunca mais chega...
Ainda bem!

Abraço

3:44 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Ainda bem! - dizes tu, e muito bem.

Outro abraço.

3:57 da tarde  
Blogger Mar Arável said...

De novo

um dia

seremos crianças

em ABRIL

10:03 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Oxalá, caro Filipe! Mas quando?

9:44 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home