sábado, fevereiro 18, 2006

Palavras

As palavras sucumbem ao vazio
da própria pequenez.
Nenhum cais tem a forma do navio,
nenhum navio a forma das marés.

("Lucro Lírico", 1973)

5 Comments:

Blogger addiragram said...

O que cabe na Palavra é o que sobra no coração. Na palavra não há lugar para o lugar vazio.

2:34 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Certo, cara Addiragram.

5:35 da tarde  
Anonymous Ana said...

Quando não encontro a palavra para dizer tudo, em silêncio fico , leio e nas palavras viajo .Como agora .
Desejos de uma semana bonita .

10:27 da manhã  
Blogger Eva Luna said...

O meu navio tem a forma de um jardim. Lindo, este poema. Escrito há tantos anos, prova de que a poesia e a beleza das palavras é eterna. Um beijo

12:26 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Beijinhos, Ana e Eva.

1:59 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home