quinta-feira, fevereiro 16, 2006

Presença

Já não estás onde estavas, já não estás
onde sempre te vi.
Mas, olhando o lugar, sinto-te aí
e recupero a paz.

O que conta não é o que se sabe,
tão-pouco o que se vê.
O que conta é aquilo que não cabe
dentro dos olhos, mas se crê.

("Destino do Mar", 1991)

6 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Este sempre foi, e será, um dos meus poemas preferidos.
Há um amor que perdura para lá dos cinco sentidos.
beijinhos grandes,
mj

5:00 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Foi precisamente por isso que me lembrei de o deixar hoje aqui, querida. Beijinhos também.

5:10 da tarde  
Blogger António Baeta said...

Eu acho que o Amor é mesmo só aquilo que não cabe dentro dos olhos, mas se crê; o que nos vem dos sentidos é outra coisa mais concreta, se bem que efémera.

7:12 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Um abraço, António.

9:52 da manhã  
Blogger mariagomes said...

Belo poema!

beijinhos
maria

6:01 da tarde  
Blogger Eva Luna said...

Ah!

6:40 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home