segunda-feira, março 30, 2009

Não quererás o fácil

Jardim Botânico Tropical, Belém
Foto TL, 2009
Não quererás o fácil, o que está
disponível, à mão de semear,
mas antes o que dói, o que não há
e te cumpre inventar.
Não seguirás por onde os outros vão,
agarrados à pressa de chegar,
mas antes buscarás no próprio chão
o caminho a rasgar.
Não ouvirás as vozes em redor
sempre dispostas a te censurar,
mas antes cumprirás o que o amor
a toda a hora te indicar.

8 Comments:

Blogger mdsol said...

É um bom método: seguir os caminhos do coração...
Sempre muito luminosas as palavras!
:))

9:40 da tarde  
Blogger addiragram said...

Como gostei deste poema! Um abraço!

9:56 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Obrigado, cara Mdsol :))

Ainda bem, cara Margarida. Outro abraço.

9:50 da manhã  
Blogger Susana Barbosa said...

Um dos melhores poemas que li, escritos por si, Torquato!

12:34 da tarde  
Blogger once said...

"buscar no chão o caminho" .. :) como se já estivesse desenhado Caro Torquato e a nós bastasse a atenção de onde pisar.

Gostei. Muito.

12:39 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Beijinhos, caras Susana e Catarina.

5:19 da tarde  
Blogger nocas verde said...

comoveu-me, caríssimo Torcato.
"(...) antes o que dói (...) o caminho a rasgar (...) o que o amor (...) te indicar"
permita-me o relevo.
obrigada por nos dar - quem poucas vezes encontra palavras - a "voz" do que sentimos.

3:03 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Cá "deste lado", também lhe estou grato, caríssima Nocas... :)

6:07 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home