segunda-feira, maio 11, 2009

Espuma

Armação de Pêra / Foto TL, 2007

Foi tão efémero que não
durou mais que umas férias de Verão
esse amor que, no entanto,
gravaste para sempre na memória
como se, por encanto,
marcasse a tua história.

Era no tempo sem enredo
em que não tinhas medo
de coisa nenhuma,
mas tão-pouco sabias o segredo
de empurrar a bruma.

Não raro o amor que chega cedo
dá à praia feito espuma.

8 Comments:

Blogger jrd said...

A maré (-cheia) da memoria.
Abraço

7:16 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Abraço também, caro JRD.

8:30 da tarde  
Blogger mdsol said...

Tão ternurentas as palavras. Tão cheias de memória sim.
:))

9:37 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

São intermináveis os caminhos da memória, cara Mdsol. :))

9:51 da manhã  
Blogger addiragram said...

Quase sempre assim é...mas, ficam sempre gravadas as marcas dos primeiros passos...

8:18 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Também é verdade, cara Margarida.

9:06 da manhã  
Blogger once said...

:))

9:24 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

:)), Catarina.

1:51 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home