segunda-feira, maio 10, 2010

Palavras, palavras, palavras

Da varanda do quartel do Carmo

A palavra medo, a palavra dor,
a palavra raiva, a palavra fogo,
a palavra sorte, a palavra jogo,
a palavra incêndio, a palavra amor.

A palavra areia, a palavra mar,
a palavra luz, a palavra espanto,
a palavra dia, a palavra canto,
a palavra livro, a palavra ar.

A palavra hoje, a palavra já,
a palavra nunca, a palavra agora,
a palavra cedo, a palavra aurora,
a palavra tarde e as que mais há.

Palavras e palavras e palavras
vestindo os muros como rosas bravas.

10 Comments:

Blogger jrd said...

As palavras certeiras como setas.
As palavras dos poetas.
Um abraço

2:43 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Um abraço também, meu amigo.

4:57 da tarde  
Blogger addiragram said...

A Palavra folgo...

Lindo!

Um abraço.

7:48 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Outro, cara Margarida.

9:36 da tarde  
Blogger António Baeta said...

A palavra desencanto e o encanto das tuas palavras.

12:53 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Generosidade tua, como é costume, amigo Toy.

3:09 da tarde  
Blogger luisa said...

O poeta é um malabarista de palavras... :)

11:39 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Também, mas não só, cara Luísa... :)

9:02 da manhã  
Blogger mdsol said...

Que fôlego! Úma rajada de ... cerejas.

:)))

9:08 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

E não estamos a entrar no tempo delas?

:)))

9:20 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home