sexta-feira, junho 15, 2007

Nítida memória















Terreiro do Paço
Foto TL

Estás aqui ao meu lado. Guardo nítida
a memória do teu rosto jovem.
Manténs nos olhos a luz que me atraíu
no dia em que te vi pela primeira vez.
E estas mãos que te acariciam
são as mesmas que nervosamente
se perdiam nas ruas do teu corpo.
Sei de cor o sabor da tua boca
e o perfume dos recantos
cujos mistérios me revelaste.

Tudo, afinal, é simples e exacto
quando o amor resiste ao tempo.

13 Comments:

Blogger JRL said...

A serenidade da segurança
Que só aprecia quem a alcança...

6:25 da tarde  
Blogger Fatyly said...

E são essas lembranças que nos fazem ver com os olhos da alma a não disfiguração actual.
Lindooooooooo!
Beijos e um bom fim de semana

10:41 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Joana e Fatyly, beijos e bom fim de semana também.

1:52 da tarde  
Blogger marta said...

O permanente enamoramente entre um homem e uma mulher
e entre o Tejo e Lisboa.

Que lindo Torquato da Luz.

Beijinho

3:32 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Outro beijinho, Marta.

5:56 da tarde  
Blogger Mar Arável said...

Na verdade o amor é intemporal
mesmo que dele por vezes só a memória

6:24 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Um abraço, caro E. Filipe.

10:26 da manhã  
Blogger RPM said...

Amigo, TL.....

gosto do poema, ainda por cima de alguém que tem a cara metade a '3 meses' de distância.....

um abraço amigo e desculpe a minha indelicadeza de memória...

abraço

RPM

2:49 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Um abraço também, caro Rui Pedro.

7:38 da tarde  
Blogger Maria Cunha said...

fiquei sem palavras, porque me recordou uma história a meses de distância também...


Maria

9:37 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Bem-vinda, Maria. Volte sempre!

3:50 da tarde  
Blogger Vieira Calado said...

Um belo poema, como você já a todos habituou. Um abraço.

1:45 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Outro abraço, caro Vieira Calado.

9:57 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home