domingo, janeiro 20, 2008

À espera

















Foto TL
Ainda um dia hei-de contar-te as espantosas
coisas de que me lembro quando fico à tua espera
horas e horas, cada vez mais vagarosas,
e tu não chegas, meu amor, e tu demoras
mais do que a minha paciência. Quem me dera
aquele tempo em que era sempre primavera
e assistia indiferente à passagem das horas.

Mas, quando chegas, só me ocorre esquecer tudo
e ter-te uma vez mais como quem tem o mundo.

10 Comments:

Blogger Fatyly said...

E conseguirás contar ou o silêncio diz tudo?

LINDOOOOOOOOO e tão real!

Duas beijocas

8:07 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Outras duas, Fatyly!

8:35 da tarde  
Blogger marta said...

São cada vez mais tristes, se bem que menos desesperado.
Não será o Torquato

Se lhe pudesse fazer chegar a amizade e a ternura pela blogosfera



Beijo grande

12:54 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

"O poeta é um fingidor", cara Marta.
Outro beijo grande.

8:52 da manhã  
Blogger Sofia said...

'Ter-te como quem tem o mundo'?Gosto cada vez mais! Este é perfeito. Parabéns!

Vou copiar para o meu caderninho de poesias... uma espécie de Rosa do Mundo da Sofia! Posso?

beijinhos

12:44 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Claro, Sofia. Beijinhos também.

1:07 da tarde  
Blogger addiragram said...

E "Ele" não é assim? Beijinhos.

4:26 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Beijinhos, cara Addiragram.

6:12 da tarde  
Blogger JRL said...

uma espera assim, por mais impaciente que seja, vale sempre a pena ;), um grande beijinho.

7:18 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Um beijinho também, Joana.

9:01 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home