quarta-feira, dezembro 10, 2008

O melhor















Acrílico sobre tela
TL, 2007

O melhor da vida foi conhecer-te
e amar-te, alheio ao correr dos anos.
Tudo o mais, que umas vezes me diverte
e outras me traz desenganos,
apenas prova que já perdi
a memória do tempo anterior a ti.

10 Comments:

Blogger addiragram said...

São as nossas memórias afectivas as nossas melhores companheiras.
Bonito poema de um amor eterno!

10:25 da manhã  
Blogger once said...

de sorriso lhe digo hoje que por vezes, só por vezes, as memórias anteriores são o que nos resta no depois .. mas só por vezes, mesmo.
:) lindíssimo este na simplicidade do sentimento que nos transmite.

12:51 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Eterno enquanto dure, como diria Vinicius, Margarida...

Isso mesmo: por vezes, Catarina :)

1:25 da tarde  
Blogger Laura Lara said...

Lindas as letras, lindas as cores... como sempre, aliás, Torquato.
Beijos e um bom fim-de-semana

11:56 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Obrigado, Laura. Quando haverá novos posts na "Senda"?
Também te desejo um bom fim-de-semana. O meu está comprometido pela gripe, que me retém em casa...
Beijos (sem contágio, claro...).

1:22 da tarde  
Blogger mdsol said...

É bom cantar assim uma entrega sem precisar de inventar anjos!Muito bonito tudo (como lamento só cá ter chegado há pouco)
:)))

10:59 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

:))), mdsol. E bom fim-de-semana!

1:35 da tarde  
Blogger Fatyly said...

A melhor e maior conjugação do verbo amar num poema lindissimo. Gostei muito desta tela.

Um abraço

12:47 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Um abraço também, Fatyly.

5:01 da tarde  
Blogger Vitor Hugo said...

Enviei esta página a algém que amo. Suprema ingenuidade, oferecer poesia a quem se ama? Não.

Apenas a assunção que outras palavras são mais eloquentes que as minhas.

Obrigado.

1:13 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home