segunda-feira, novembro 10, 2008

A casa















Rossio, Lisboa / Foto TL, 2008
Era uma casa pouco a pouco erguida
sobre caboucos fundos e seguros,
uma casa pensada para a vida
e feita com amor, livre de juros,

uma sólida casa construída
para os dias presentes e futuros
e pronta a resistir à investida
dos tempos mais adversos e mais duros.

Mas vieram o vento e a tempestade
e não deixaram mais do que os escombros
do que fora uma casa grande e forte

e agora só nos resta ter vontade
de começar de novo, metendo ombros
a outra casa, em desafio à morte.

6 Comments:

Blogger Once said...

dessas vontades se faz a Vida ..

Mais um daqueles Caro Torquato.

4:39 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Certamente, cara "Once".
Obrigado.

6:18 da tarde  
Blogger Fatyly said...

Perante o bota-abaixo a "vontade de começar de novo" será sempre o melhor sinal verde para continuarmos.

Adorei!

A foto está lindissima.

Um abraço

5:34 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Desistir, nunca, Fatyly!
Outro abraço.

7:22 da tarde  
Blogger Márcia said...

Belíssimo poema. Aliás, como belíssimos são tantos outros que li aqui. Cheguei pela primeira vez. Voltarei.

Ah, e vou linkar seu blog nos meus, certo?

2:13 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Volte sempre, Márcia.
Também já linkei a sua "Tábua de marés".

5:06 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home