segunda-feira, novembro 24, 2008

Destino comum
















Palácio da Ajuda
Foto TL, 2008

Nosso destino comum
é a morte e mais nenhum.
Nada, seja o que for
e tão-pouco a poesia,
poderá algum dia
subtrair-nos à dor,
maior entre as demais,
de não sermos imortais.

Entretanto, o que interessa
é não ter pressa
e aproveitar a hora,
porque o tempo é fugaz:
não volta atrás
nem se demora.

12 Comments:

Blogger Fatyly said...

Aproveitar sempre todas as horas que nos restam. A foto está magnífica.

Obrigado poeta por este momento de leitura e reflexão.

Beijinhos

10:59 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Beijinhos e obrigado também, cara Fatyly.

2:06 da tarde  
Blogger gabriela rocha martins said...

a partir de hoje torna.se imperioso passar por aqui.......



.
um beijo

5:09 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Obrigado, Gabriela. Também gosto muito de passar pelo "Canto chão".
Outro beijo.

5:24 da tarde  
Blogger Mar Arável said...

É preciso resistir

ao tempo que faz

5:36 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Certamente, caro Filipe.

8:54 da tarde  
Blogger once said...

.. e ainda bem que não somos imortais .. :)

Catarina

12:07 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Pois é, Catarina, viver sempre também cansa, como dizia o poeta José Gomes Ferreira (de quem fui vizinho...).

1:21 da tarde  
Blogger LuzdeLua said...

O que interessa é não ter pressa então...
Adorei o poema.

"Mesmo que as pessoas mudem e suas vidas se reorganizem, os amigos devem ser amigos para sempre, mesmo que não tenham nada em comum, somente compartilhar as mesmas recordações."
Vinícius de Moraes

Passando, deixo-te um abraço amigo

11:21 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Outro abraço amigo, cara "LuzdeLua".

9:05 da manhã  
Blogger addiragram said...

Levamos toda a vida a aprender o que é viver.

Um abraço amigo

3:03 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Viver é aprender, Margarida.
Abraço também.

4:50 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home