segunda-feira, maio 25, 2009

Moinhos de vento

Alto da Ajuda / Foto TL, 2009
Cada um inventa os moinhos de vento
que lhe cabe defrontar.
Os meus nem por um momento
me deixam sossegar.
É uma luta sem tréguas nem sinais
de iminente rendição
e o que me aflige mais
nos dias que virão
é que os moinhos que defronto a esmo
existem mesmo.

6 Comments:

Blogger jrd said...

O grande Cervantes, que é eterno, vai gostar de saber deste poema.
Abraço

7:34 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Oxalá, caro JRD!
Outro abraço.

8:37 da tarde  
Blogger mdsol said...

... e com uma fotografia completamente a propósito que ainda realça mais o efeito das palavras.

:)))

9:01 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

:))), cara Mdsol!

9:44 da manhã  
Blogger once said...

existem sempre :)
Ainda que por vezes na nossa mais infantil imaginação.

Gostei Muito **

10:59 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Quanto mais imaginário, mais real, Catarina...

4:02 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home