quarta-feira, novembro 07, 2007

Cais das colunas












Foto TL

Sobre ser belo, tinha
uma aparência de eternidade
que lhe advinha,
não da idade,
mas da quase-irrealidade
com que marcava a linha
de rosto da cidade.

Hoje é apenas um monturo,
um lugar triste e abandonado,
ao qual roubaram o passado
e recusam o futuro.

E é de temer que o novelo
do tempo que tenho pela frente
não seja suficiente
para voltar a vê-lo.

10 Comments:

Anonymous antónio p. castro said...

Realmente, a situação arrasta-se há tanto tempo que é de perguntar se ainda viveremos o bastante para ver de novo o Cais das Colunas.
Espero bem que sim.
(Quem disse que a poesia não é útil?).
Um abraço.

12:12 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Seja bem (re)aparecido, caro António Castro. Outro abraço.

4:37 da tarde  
Blogger ana vidal said...

Raramente comento aqui, mas sigo com atenção este seu ofício diário de grande qualidade.
Sobre o Cais das Colunas, a situação também me inquieta. Vou levar este poema e espalhá-lo ao vento, através da minha Porta. Espero que não se importe.

Um beijo
ana

10:19 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Um beijo também, Ana, e parabéns pela sua "Porta", que frequento regularmente com agrado.

9:48 da manhã  
Blogger marta said...

E as saudades que me faz, já ali não ter o marco dos namoros e dos beijos dados e não roubados, dos namorados?
Ponto obrigatório de namoros, pela noite fora, para ir ver a lua espelhada no rio.


beijinho

Marta

1:24 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Isso mesmo, Marta.
Outro beijinho.

10:38 da manhã  
Blogger Bruxinhachellot said...

Alguns lugares guardam uma belza quase apagada pelo tempo e só que consegue enxergá-la são os seres que tem dentro de si uma alma poética.

Beijos de Lua e Sol.

4:18 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Beijos também, Cláudia.

8:30 da tarde  
Blogger Fatyly said...

Não conheci o antes desse Cais apenas o depois que se vaidegradando.
Mas este teu poema levou-me longe, muito longe onde pulverizado por bombas:

Hoje é apenas um monturo,
um lugar triste e minado,
ao qual roubaram o passado
sem presente nem futuro.

ADOREI!

Beijos

8:12 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Gostei da quadra alterada por ti, cara Fatyly.
Beijos também.

9:07 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home