quinta-feira, novembro 15, 2007

Sobre a poesia










Foto TL
A poesia não é
uma espécie de gaveta
onde o poeta,
embora de boa fé
e cioso de si mesmo,
deita palavras a esmo.
Claro que também não sei
o que a poesia é ao certo.
Ora bosque, ora deserto,
não conheço qualquer lei
que a defina com rigor,
seja a poesia o que for.
De uma coisa, todavia,
tenho a mais funda certeza:
só acontece poesia
quando se junta à beleza
das palavras a lição
de vida que elas nos dão.

12 Comments:

Blogger Carlota said...

Muito bom! E é que é disso mesmo que se trata! Aliás, esta poesia define bem a poesia de todo este blog, pelo qual, uma vez mais, lhe dou os parabéns!
:)

12:54 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Obrigado pela visita, Carlota.
Também gosto muito do seu Lote bruxelense, que frequento com regularidade.

1:43 da tarde  
Blogger peciscas said...

Claro, Torquato.
O que é a poesia, não se define por palavras.
No entanto, a gente sente quando está perante um poeta.
É, aqui, o caso.

6:05 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

O abraço de sempre, caro Peciscas.

8:20 da tarde  
Blogger JRL said...

e é na poesia
que mergulha a alma
quando leio o Torquato
é na poesia
que sacio a fome
de serenidade das pálpebras.
Um beijinho

11:58 da tarde  
Blogger irneh said...

A poesia não se define, sente-se.

Beijinhos

12:46 da manhã  
Blogger irneh said...

VOltei para dizer que, para aalém da magnífica poesia que aqui encontrei, também gostei muito dos acrílicos.

Beijinhos

12:51 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Beijinhos também, Joana e Irneh.

9:35 da manhã  
Blogger Sofia said...

A Poesia é a magia das palavras, bem distribuídas nas linhas, umas maiores, outras menores. Lemos devagar e quando damos pelo tempo passar... já lemos, já aprendemos... a poesia é necessária e é mestra na vida. O que seria de nós sem ela? Obrigada por partilhar a sua aqui!

beijinhos

1:07 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Grato pelas suas palavras, Sofia. Beijinhos.

3:13 da tarde  
Blogger Fatyly said...

Ontem estava eu aqui a saborear a tua poesia, quando tocou o SOS avó e com as piiiqqquuueeennnaas deixei a leitura a meio e fui poemar com elas:)

Já tinha lido, mas hoje voltei a ler e só consigo repetir: és de facto um MESTRE.

Gostei muito do que senti e um abraço sincero

8:58 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Não há limites para a tua generosidade, Fatyly amiga.
Outro abraço sincero.

3:43 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home