quarta-feira, junho 11, 2008

Dizer não













Praça das Flores/Foto TL
Não podes fazer de conta que não se passa nada,
quando te cercam mil palavras mansas
tentando iludir a tua boa-fé; ou quando, a meio
do caminho que segues, colocam uma pedra
e ficam de longe à espera de te ver tropeçar.

Não podes fazer de conta que não se passa nada,
quando procuram roubar-te o direito a respirar
no espaço de liberdade que, ao longo do tempo,
soubeste conquistar ou legitimamente herdaste
dos que antes de ti se bateram para que o tivesses.

Não podes fazer de conta que não se passa nada
e continuar em frente como se em volta
não fosse cada vez mais gritante a injustiça
e arrogante a podridão
a que é de novo urgente dizer não.

10 Comments:

Blogger Susana Barbosa said...

Urgentíssimo.
Se for necessário gritaremos.

Um abraço,Torquato.

5:01 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Bem me parece que volta a ser necessário.
Outro abraço, Susana.

9:12 da tarde  
Blogger Fatyly said...

Muito oportuno e pelo que se passou há dias...o povo já começou a sair do seu comodismo/conformismo e impôr-se.

Adorei!

Um abraço poeta

10:36 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Um abraço também, querida Fatyly.

1:57 da tarde  
Blogger JRL said...

E como por vezes custa saber dizê-lo! Um beijinho.

5:01 da tarde  
Blogger addiragram said...

Apesar de todos os avisos não creio que não continue a fazer de conta...É a doença da arrogância.

Um abraço.

9:14 da tarde  
Blogger Torquato da Luz said...

Beijinhos e abraços, caras Joana e Margarida.

10:25 da manhã  
Blogger RAA said...

Esplêndido, mais uma vez!
Um abraço, Torquato!

1:36 da manhã  
Blogger minucha said...

É o bom da Democracia, apesar de tudo
é poder haver outra revolução, mas tem de ser em toda a Europa, porque sozinhos não vamos lá.

Beijinho

1:53 da manhã  
Blogger Torquato da Luz said...

Outro abraço, Ricardo.

De acordo, Minucha. Beijinho.

6:25 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home